Tema em Foco - Pelo Mestre Ryuho Okawa
Como superar o Perfeccionismo
(Excerto de "As leis da Grande Iluminação", Capítulo 2: "A Força para perdoar o Pecado" - ainda sem tradução)

Revista Happy Science
Ciência da Felicidade - Edição 162
As pessoas que apressam a própria morte têm em comum o perfeccionismo

Eu gostaria de refletir sobre o que leva uma pessoa ao suicídio. Neste mundo, todos vivemos uma luta permanente pela felicidade. Não faltam doutrinas que se propõem a ajudar as pessoas a alcançarem a felicidade, mas é simplesmente impossível escapar a experiência de infelicidade, Já que a felicidade existe neste mundo, é inevitável que também exista o seu oposto, a infelicidade.

É justamente quando estão passando por uma situação de infelicidade que as pessoas recorrem ao suicídio. Entre os que o fazem, pode ser que alguns morram felizes, mas eu tenho certeza de que se trata de uma minoria insignificante. A grande maioria morre por se sentir infeliz.

Porque tomar a decisão de acabar com a vida? Quando estudamos a origem do suicídio, constatamos que as causas são numerosas. Por exemplo, há quem se mate por estar doente. A pessoa se convence de que não consegue agüentar a dor e resolve se matar. Recentemente aumentaram muito os casos de suicídio entre idosos. São inumeráveis os idosos que desistem da vida porque o corpo combalido os transforma num fardo para a família ou porque eles não tem mais razão para viver.

Entre os jovens, geralmente são problemas ligados ao amor, ao casamento ou ao divórcio que levam ao suicídio. Por outro lado, quando ocorre uma recessão econômica prolongada, muita gente se mata por motivos financeiros. No esforço para sair das dificuldades econômicas. Muitos decidem pôr fim à vida. Embora representem um percentual reduzido, também há os que se matam por razões do honra. Gente em posição proeminente, como os políticos, quando envolvida com um crime ou um escândalo, às vezes acha preferível uma morte honrosa a uma vida de opróbrio.

São muitos os motivos que levam as pessoas a viver como filhas de Deus ou Buda, mas o que eu tenho a dizer é o contrário. Os que se suicidam tendem a esperar perfeição tanto de si próprios quanto daqueles que os cercam, e é essa obsessão pela perfeição que leva tanta gente a se precipitar a morte.

Esses indivíduos têm pouca resistência ou imunidade às críticas, fracassos e decepções da vida. O motivo é eles serem excessivamente perfeccionistas tanto em relação a sis mesmo como também em relação aos demais.


Os serem humanos são criaturas imperfeitas

Se você olhar para si objetivamente, vai ver que ninguém pode ser perfeito. Assim como você é imperfeito, todos à sua volta são, é impossível esperar perfeição de si próprio, assim como é impossível espera-la dos outros. Apesar disso, são incontáveis aqueles que, na busca da perfeição impossível, acabam vivendo de uma forma imperfeita.

Ninguém que se diga perfeccionista leva uma perfeita. Geralmente, quem afirma tal coisa tem uma existência das mais imperfeitas. Muitos não agem como a maioria e, pelo contrário, fogem das batalhas que precisam ser travadas e se esquivam das coisas que precisam ser superadas; mesmo assim garantem que são perfeccionistas.

Trata-se de uma evasão de responsabilidade, de uma fuga do fracasso. É uma declaração: "Eu já não quero continuar lutando". Dê a isso o nome que quiser: perfeccionismo, narcisismo, a busca do belo em si e nos outros, pouco importa; quem aspira muito a perfeição e se empenha excessivamente em encontrar a beleza acaba levando uma existência particularmente feia.

É mais ou menos como aquele que se recusa a usar roupa que não seja nova em folha. Quando está suja, a roupa pode ser lavada em casa ou na tinturaria e voltar a ser usada. Embora já não seja nova em folha, na vida normal, nós a consideramos tão boa como se fosse e não hesitamos em vesti-la. Do mesmo modo, a pessoa não deve ser narcisista demais, ou se exigir demais.

Não tem sentido pensar que, pelo fato de você ter fracassado uma vez, a sua existência está liquidada. Agir desse modo é o cúmulo da ingratidão para com aqueles que dedicaram várias décadas criando-o, protegendo-o e estimulando-o. A vida não é assim. Esse tipo de existência, na qual você oscila de um extremo emocional para outro, exige uma reflexão séria.

Portanto, ainda que seja importante pensar-se um filho de Buda ou um filho de Deus, também é necessário aceitar um o fato de que, até certo grau, os seres humanos são criaturas imperfeitas. Enquanto você tiver neste mundo, enquanto viver dentre de um corpo humano, haverá um grau de imperfeição. Neste mundo, é impossível ter uma existência perfeita em termos espirituais. A gente vive a vida diante de todos os tipos de resistência, de modo que não há outro modo a não ser viver de forma imperfeita. Em conseqüência, haverá fracassos e reveses, mas é justamente por isso que todos podem praticar a reflexão e aprender. Assim, nós amargamos o fracasso, e as coisas nem sempre são como queremos, mas essas experiências nos permitem ganhar novas idéias e levar uma existência melhor.


Aceite o seu modo desajeitado

O importante não é viver uma vida perfeita, e sim uma vida melhor. Eis uma coisa que todos devem infundir no coração. Ao dizer isso, eu não o estou aconselhando a ser negligente no estudo ou no trabalho. Quando digo, "Você não precisa ter uma vida perfeita", não pense que estou dizendo para negligenciar no trabalho. Quem agir assim será repreendido pelo chefe e terá vontade de se suicidar; portanto, eu quero deixar bem claro que não recomendo a ninguém descuidar do estudo ou do trabalho.

O que eu quero dizer é que a pessoa que se culpa com demasiado rigor e sofre a ponto de não poder conciliar o sono à noite deve procurar não ser tão perfeita. Disponha-se a aceitar somente oitenta por cento de perfeição; o mais importante é viver a vida até o fim. Em vez de procurar ter uma vida perfeita, uma existência sem falhas ou sem dor, o importante é optar por uma vida melhor.

Embora você aspire a se desenvolver espiritualmente, num esforço para se aproximar mais de Buda ou Deus, convém perceber que você não é Buda nem Deus. Enquanto viver neste mundo, vai enfrentar dificuldades e cometer erros todos os dias. Por isso convém aspirar ter uma vida melhor.

Você deve levar em conta de que "embora os seres humanos sejam filhos de Buda ou Deus, enquanto viverem aqui na Terra, eles há de ser criaturas imperfeitas, desajeitadas". Aceite o seu modo imperfeito e desajeitado de ser. Você está aqui na Terra a fim de treinar a alma. Está estudando numa escola da alma e, por esse motivo, será perdoado por ser como é. É importante agüentar isso e desenvolver um coração que perdoa.

 
Pontos de revisão

1- A maioria dos que se suicidam passam por algum tipo de experiência de infelicidade, mas também tem a tendência a ser muito severa consigo mesma.

2- Objetivamente, ninguém pode ser perfeito. É impossível esperar perfeição de si ou dos outros.

3- Os perfeccionistas tendem a querer fugir das batalhas que precisam ser travadas e se esquivar das coisas que devem ser superadas.

4- Não pense que, por ter fracassado uma vez, a sua vida está liquidada. Seria uma ingratidão para com aqueles que dedicaram décadas a criá-lo

5- Embora se considerando uma filha de Buda ou um filho de Deus, convém você aceitar que os seres humanos são imperfeitos.

6- Haverá falhas e reveses, mas é justamente por isso que você pode praticar a reflexão e aprender. Tais experiências permitem-nos ganhar novas idéias e levar uma existência melhor.

7- O importante não ter uma vida perfeita, e sim procurar ter uma vida melhor

8- Você está aqui na Terra a fim de treinar a alma, e por esse motivo, será perdoado por ser como é.

 
(Texto da revista Ciência da Felicidade edição 163 - Mais Informações: Clique Aqui)
Índice
Revista 194:
A Verdadeira Causa do Câncer
Revista 193:
Visita do Mestre à Índia e ao Nepal
Revista 192:
O Caminho para a Saúde Perfeita
Revista 191:
Como Cultivar a Prosperidade
Revista 190:
Ciclo de Palestras do Mestre no Brasil
Revista 189:
Os Métodos de Autoreflexão
Revista 188:
Provações e Independência da Criança
Revista 187:
Seja Infinitamente Amável
Revista 186:
A Maturidade Espiritual
Revista 185:
Sinta o Milagre
Revista 184:
O Caminho da Saúde Definitiva
Revista 183:
Enfrentando os Mares Turbulentos do Destino
Revista 182:
Atrair Novas Ideias & Aprender no Trabalho
Revista 181:
Encontrar a Felicidade na sua Família
Revista 180:
Viver Criativamente
Revista 179:
Utopia no Coração
Revista 178:
Adquirindo uma Consciência mais Elevada
Revista 177:
Os Estágios do Desenvolvimento do Amor
Revista 176:
O Caminho do Sucesso
Revista 175:
Enfrentando a Depressão
Revista 174:
Gestão Baseada no Tempo
Revista 173:
Viver para Amar
Parte 2
Revista 172:
Viver para Amar
Parte 1
Revista 163:
Como superar o Perfeccionismo
Revista 162:
Como vencer a doença
Revista - Maio de 1997
Sinalização para a Felicidade - Parte II
Revista - Abril de 1997
As Circunstâncias Espirituais de uma Guerra
Revista - Abril de 1997
Sinalização para a Felicidade - Parte I
Revista - Março de 1997
Como evitar espíritos obsessores
Revista - Março de 1997
O Prelúdio da Nova Era
Revista - Janeiro de 1997
O Correto Conhecimento do Mundo Espiritual
Revista - Janeiro de 1997
Um Dia, Uma Vida
   
Templo Happy Science
Rua Domingos de Morais, 1154 - Vila Mariana - SP
Tel: (11) 5088-3800
© Copyright 2009 ~ 2017
54 usuários online